Acreanos usam criatividade para sair do vermelho

Além do registro de pessoas contaminadas que cresce devido a pandemia causada pelo COVID-19, outro fato vem chamando a atenção, mesmo que passe desapercebido pela maioria das pessoas, são os comércios ambulantes sob rodas.

Em meio a era tecnológica e os investimentos para a migração e adaptação aos e-commer ou comercio digital, alguns acreanos ainda apostam na inovação da criatividade com a oferta de serviços.

Um dos personagens que já apareceram no site, foi o do senhor Airton, um mecânico de grandes habilidades, que possuía uma oficina física, mas devido as constantes ações criminosas no seu local de trabalho, decidiu fechar e apostar no serviço de rua.

Apareceu um problema como furar o pneu de uma moto ou carro e não encontrar uma borracharia perto, podendo até mesmo estar fechada, basta liga no (68)99937-0242, que o fugou ligou vai até você. O empreendimento tem dado certo, pois se tornou um trabalho de família, junto com Airton, o filho também faz os serviços.

E quem já possui uma loja física e aposta em venda semelhante, isso não seria um risco desnecessário? Claro que não. Vanderley Alves, 39 anos, decidiu aceitar o desafio de trabalhar com o primo, que tem uma loja no Shopping Aquiri. Porém com a limitação de horário e fechamento do espaço devidos as restrições em decorrência da pandemia.

Eles decidiram apostar no varejo móvel ou no Lojão Móvel – Dele e Dela, uma loja de calçados moveis para homens e mulheres. Vanderley viu que um lugar de passagem de muitas pessoas e com certa estrutura poderiam ajudar no trabalho. Estacionou a loja em frente a antiga delegacia e de cem carros que passam, uns vinte param para conferir os produtos.

“Recebi o convite do meu primo para trabalhar. Estava desempregado e tem mês que chego a fazer dois mil de salário. Quanto um primo fatura eu não sei, mas a gente tem conseguido pagar as contas e manter a casa”, disse o vendedor.

A motivação de trabalhar com o que gosta não é só para quem busca dias melhores. Quem disse que aposentado não pode trabalhar e se reinventar? O senhor Edimar Ferreira Saldanha é um aposentado cheio de otimismo, alegria e cheio de vontade de trabalhar. Ele fez uma adaptação na sua bicicletinha e a transformou no seu escritório móvel, onde também faz a divulgação enquanto transita nas ruas da capital acreana.

“Sou aposentado e não quero ficar parado, ainda tenho muita lenha para queimar e ofereço meus serviços para quem precisar. Espero que essa doença suma logo para que possa ajudar mais pessoas com meu trabalho, precisou de um pedreiro, encanador ou carpinteiro é só ligar (68) 98403-8671.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

2 × 1 =