Bastidores da imprensa

Voto impresso I

Um dos temas mais discutidos e levado até as vias de fato por alguns extremistas está relacionado a questão do voto impresso. Como tudo na vida existem pontos a favor e contrários. A última eleição reforçou essa dúvida, pois alguns votos que foram dados, não apareceram computados, aliado a falta de organização das “atas” que foram expostas de qualquer jeito.

Voto impresso II

Essa defesa por parte dos políticos com mandata causa estranheza, pois estão colocando em cheque seus próprios mandatos, o que nos induz à acreditar que os mesmos deveriam renunciar os cargos cujos quais ocupa. A enfática campanha do presidente Jari Bolsonaro também me leva a crer que ele sabe mais do que diz. Ele usou algum tipo de sistema? Algo a se refletir.

Voto impresso III

Outro ponto que vejo de forma negativa a impressão do voto, é a clareza da compra ou cabresto do voto por parte de quem utiliza um sistema criminoso para alcançar o resultado vitorioso de uma eleição. Esse fato reforçaria o conceito de corrupção praticada.

E pode?

Pelo que entendo, a questão de campanha antecipada é crime eleitoral. O fato da ex-esposa do senador Márcio Bittar (MDB) circular por todos os veículos de comunicação do estado dando entrevistas principalmente nas rádios para afirmar que é candidata ao senado no ano que vem se enquadraria. Será que estou enganado ou a justiça eleitoral além de cega também passou a ser tapada? Algum juiz eleitoral poderia esclarecer o assunto?

A disposição do oportunismo

Chega a ser vergonhosa a posturas de alguns dos parlamentares acreanos, que foram eleitos para buscar soluções para a população e parecem viver em um mundo paralelo. No caso dos candidatos aprovados no concurso da PM o deputado de forma oportunista tenta surfar no tema como se fosse o salvador da pátria de quem já vem cobrando só e assina o atestado de incapacidade colocando o seu mandato à disposição. Não é possível que não se toque que o seu mandato é obrigatoriamente da população.

Roendo a corda

No município do Bujari, o vereador Jairo Pinheiro apresentou o projeto de lei ficha limpa que proíbe a nomeação de pessoas condenas em cargos públicos do município. A Câmara Municipal aprovou o projeto e foi sancionado pela prefeitura. Mas segundo informações, na sessão desta terça-feira irão votar um requerimento para derrubar o projeto, pois querem nomear alguém ligado a mesa diretora do parlamento.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezessete − onze =