Repasse as empresas de ônibus podem passar dos R$18 milhões

Não é nenhuma novidade falar das péssimas condições em que se encontram e é oferecido em Rio Branco os serviços de transporte público, que veio se agravando ao longo dos anos e atingindo seu pico ainda em 2020.

As empresas que detém a concessão de oferecer o serviço na capital, há dois anos não realizam os pagamentos dos motoristas, que além de terem a carteira assinada, atuam como diaristas e tiveram seus direitos retirados.

Ainda na condição de candidato a prefeito de Rio Branco, Tião Bocalom(PP) criticava a proposta que a equipe da prefeita Socorro Neri (PSB) apresentou ao sugerir o repasse de mais de R$2 milhões as empresas de ônibus para tentar sanar as dívidas trabalhistas e manter o sistema funcionando. Porém foi rejeitada na Câmara de Rio Branco.

Bocalom afirma que não colocou e que não irá colocar dinheiro público nas empresas privadas.

No entanto ao assumir como prefeito, o discurso parece ter mudado. O que antes era criticado, agora passa a ser uma solução. Como a primeira tentativa de fazer o repasse as empresas sob a alegação de que iria custear as passagens de gratuidade. E novamente foi rejeitada pelos vereadores.

A nova proposta que tenta fazer com que o parlamento municipal aprove, com a justificativa de que conseguiu baixar o valor da tarifa a R$3,50 podendo chegar até R$3,00 parece não passar de uma cortina de fumaça para tentar injetar valores ainda maiores como se nos próximos anos ainda estivéssemos vivendo em período de pandemia como está no documento.

Os valores a serem repassados as empresas é acima do que a prefeitura anuncia.

“Eu não concordo com esse repasse as empresas, na condição de prefeito eu não passarei nenhum valor. Quando for eleito, pretendo abrir a caixa preta do transporte público”, disse o prefeito a época, o que acabou sendo cobrado por todos para a abertura de tal caixa.

O vereador Emerson Jarude (MDB) tem sido um dos maiores críticos com relação ao repasse de tal importância financeira, pois além de não cumprirem os compromissos com os trabalhadores, as empresas desrespeitaram todos os Termos de Ajuste de Conduta (TAC) e na sua opinião, já é hora de dá um “pé na bunda das empresas”.

Jarude fala do desrespeito das empresas de transporte

A presidente da Comissão de Inquérito Parlamentar (CPI) e autora da mesma, vereadora Michelle Melo (PDT) convocou uma coletiva de imprensa para falar que as oitivas da CPI acontecerão todas as terças-feiras, às 14h com transmissão pela internet para que a população possa acompanhar.

Michelle fala de transparência nas oitivas da CPI

Outro ponto a se destacar dentro das falas dos vereadores que compõem a comissão, é que os ex-prefeitos de Rio Branco também serão convocados para serem ouvidos com relação a essa problemática que se arrasta ao longo do tempo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

7 − cinco =