Em entrevista David Hall diz lutar contra o sistema

David Hall é pré-candidato ao governo do estado do Acre pela segunda vez. Em 2018 disputou a cadeira do Palácio Rio Branco pelo Avante, em 2021 anunciou sua pré-candidatura pelo partido Cidadania que fez uma federação com o PSDB, motivo pelo qual resolveu sair do partido e ingressar no AGIR que é o antigo Partido Trabalhista Cristão. David é casado, tem uma filha, é professor de filosofia da rede pública estadual e possui apenas 34 anos, o postulante ao cargo de governador mais novo. No entanto, isso não é nenhum demérito. Apesar da pouca idade e de não ter ocupado cargo eletivo ele fez duas graduações, quatro especializações, estudou 4 idiomas e recentemente foi aprovado no concurso do Instituto Federal do Acre. Veja o resumo da nossa entrevista a seguir:

O Acre: David, recentemente o Instituto Big Data publicou uma pesquisa em que você não pontuou, o que você tem a dizer com relação ao resultado dessa pesquisa?

David Hall (AGIR): Eu tive que ir no Ministério Público juntamente com o Dimas Sandas, o pré-candidato ao senado pelo AGIR, para que os institutos de pesquisa acrescentassem nossos nomes nos formulários. Você tá entendendo contra o que nós estamos lutando?

Não estou fugindo da sua pergunta, mas em 2016 o candidato à prefeitura de Rio Branco Carlos Gomes não pôde participar do debate da Rede Globo porque ele tinha apenas 2% de intenção de votos na pesquisa IBOPE. Sabe quantos votos ele teve? 8,23%.’

Em 2018 os institutos de pesquisa diziam que Jair Bolsonaro perderia para todos os candidatos no 2º turno e olha só que foi que ganhou as eleições.

Em 2020 o Minoru Kinpara liderava todas as pesquisas e no final das contas ele sequer foi para o 2º turno.

Eu poderia ficar aqui citando inúmeros exemplos de que a pesquisa eleitoral não define a eleição, mas não é o caso. Mas se me permite gostaria de falar sobre um dado pouco divulgado: 56% da população não me conhece o suficiente para opinar. O que isso significa? Que eu não sou conhecido por boa parte da população. Todo mundo conhece o Gladson, o Petecão e o Jenilson. Todos eles são políticos de carreira, possuem contratos com os jornais locais e podem faltar às sessões para percorrer o estado. Eu não tenho dinheiro nem para patrocinar uma publicação nas redes sociais, o que dirá contratar um jornal e rodar o Acre. Tenho que estar todos os dias na escola dando aula e meu salário mal dá para o sustento da família. Você está compreendo o quanto esse sistema é injusto?

O Acre: Mesmo com todas essas adversidades você insiste em se candidatar, por quê? Por que não se candidata a outro cargo? Não seria mais fácil?

David Hall (AGIR): Eu tenho um sonho e não é ser governador. Meu sonho é que o meu estado faça uso do seu potencial. A gente mora na Amazônia, somos privilegiados por ter uma riqueza natural e não fazemos o uso inteligente dessa riqueza. Eu não consigo entender e muito menos aceitar que pessoas passem fome num lugar onde possui muita terra fértil para plantar, condições climáticas favoráveis, tecnologia suficiente para triplicar nossa produção. As desigualdades sociais não são naturais, elas foram criadas pelo homem. As famílias não passam fome por escassez de alimentos, é porque alguns decidiram que elas simplesmente não devem comer. Quem falar em nome dessas famílias? Quem luta por essas famílias? Se não tem quem faça isso, então eu farei. E é exatamente por isso que não sou conhecido, porque se eu falasse em nome dos empreiteiros certamente eu teria outra projeção. Quem nunca teve que ralar na vida jamais vai entender isso.

Quanto ao cargo pretendido é simples. Eu não encaro a política como uma carreira profissional, quem fazer carreira é militar. Eu compreendo a política como uma prestação de serviço. Eu apresento minha proposta de trabalho que é o meu plano de governo e o eleitor decide se quer ou não me contratar pelos próximos 4 anos. Existem cargos que requer determinadas atribuições, legislativo é uma coisa e executivo é outra. Eu fiz um MBA em Administração Pública e estou cursando outra especialização em Planejamento, Organização e Sustentabilidade em Gestão Pública, então a minha vocação está na implementação de políticas públicas, essa é a área em que tenho afinidade, foi para isso que eu me qualifiquei.

O Acre: David, aproveite esse espaço para fazer as suas considerações finais. Que mensagem você deixa para os nossos leitores?

Bom primeiramente eu quero agradecer imensamente ao site O Acre por me ceder esse espaço, dificilmente algum jornal me concede uma entrevista e vocês estão aqui fazendo a diferença. Eu queria dizer aos leitores desse jornal que nós devemos, apesar de tudo, continuar acreditando na política. Eu sei que você está cansado desses políticos que triplicaram o seu patrimônio, que recebe aposentadoria de ex-governador, ex-senador, eu também estou cansado e é exatamente por isso que estou pré-candidato. Não adianta absolutamente nada a gente ficar indignado e ser indiferente, ficar apático e descrente. Essa postura só faz com que esses políticos continuem a se perpetuar no poder. Se eu pudesse dar algum conselho a você eu diria: pegue essa sua indignação e dê um propósito para ela. Se você que é professor e achou injusto o pífio reajuste, então faça alguma coisa a respeito. Se você não concorda com a corrupção na saúde e na educação, reaja. Não seja omisso, não seja passivo, lute por aquilo que acredita, mas se não tem coragem de lutar ao menos tenha a decência de respeitar quem luta!